Lixo de oferendas cobrem as areias de Praia Grande após Festa de Iemanjá

Tradição e Meio Ambiente

No final do ano passado a babalorixá do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá, Mãe Stella de Oxóssi divulgou em sua coluna para o jornal A TARDE um texto em que se posicionava a favor de uma reformulação na forma de pensar as oferendas à Iemanjá nos dias em que se dá as comemoração da orixá.

Na ocasião ela afirmou que os filhos do Axé Opô Afonjá a partir de fevereiro deste ano iriam ofertar cânticos ao invés de flores, perfumes, barquinhas, espelhos dentre outros objetos que remetem a simbologia de Iemanjá.

Os ritos se fundamentam nos mitos e nestes estão guardados ensinamentos valorosos. O rito pode ser modificado, a essência dos mitos, jamais!

Mãe Stella de Oxóssi ao jornal A TARDE

Leia mais em: Iemanjá será presenteada com cânticos ao invés de oferendas

Oferendas em espaço público

A notícia acima é recente mas a Revista Umbanda Sagrada, ano 1, ed.2  publicada no ano de 2008 já alertava em matéria assinada por Pai Rodrigo Queiroz sobre a consciência ambiental e o lixo umbandista. No texto o sacerdote e diretor do Umbanda EAD explica que a Umbanda é culto à NATUREZA e sendo assim, na oferenda deve-se usar o que é natural. “O saquinho plástico não é oferenda. A garrafa não é oferenda. Os descartáveis não são oferendas. Se a Umbanda vê a natureza como sagrado então deve-se preserva-la” aponta Pai Rodrigo Queiroz.

Trouxemos esse assunto hoje por dois motivos: no final do ano as comemorações e oferendas aos orixás se intensificam – principalmente na região litorânea do país – em razão das homenagens a Mãe Iemanjá, divindade das águas salgadas e também:: porque neste domingo (10/12) o André Hernandez, umbandista, morador de Praia Grande – SP e seguidor da página do Umbanda EAD denunciou via inbox o antes e depois da orla da praia após a comemoração da Festa de Mãe Iemanjá.

A tradicionalíssima festa que já chegou a reunir mais de um milhão de pessoas de todos os lugares do país, acontece – oficialmente – desde 1969, portanto, consideramos que estamos na 47º edição do evento que ainda continua reunindo mais de 30 mil pessoas em torno dos festejos à Iemanjá.

Como prova as imagens abaixo mesmo depois de tanto tempo, o debate sobre os deveres com o meio ambiente de quem realiza suas oferendas (seja ele umbandista ou não) ainda se encontra tão necessário.

Veja as imagens de como amanheceu as areias de Praia Grande após as comemorações no domingo:
lixo01
Fotos morador de Praia Grande – SP enviadas ao Umbanda EAD

lixo_02

Como dito acima nem sempre o lixo deixado para trás após um evento como esse é necessariamente do umbandista, mas o que acontece hoje e o que também explica Pai Rodrigo na matéria citada é que a imagem do umbandista já foi manchada por esse tipo de situação e por isso devemos estabelecer um posicionamento firme e limpo sobre essa questão “precisamos erradicar o contra-senso da má prática ofertatória. Para só depois conseguir mudar a imagem social do umbandista” afirma.

Leia também: 5 dicas de oferendas ecologicamente corretas

Imagens Praia Grande antes da festa:

praia_01

praia_02

Ao final do desabafo Andre Hernandez questiona “será mesmo que é isso que nossa Mãe Iemanjá deseja que seja feito em sua casa?”

Bom, vamos refletir sobre isso nos próximos dias e abrir o debate não só com a comunidade umbandista, mas com a sociedade em geral, e o mais importante: vamos ser zelosos com o nosso ato de oferendar. O modo como se executa o trabalho também é a forma com que ele vai retornar à você. Então faça tudo com calma, tranquilidade, cuidado e higiene – esses são aspectos imprescindíveis para um bom trabalho.

Saravá povo de Umbanda!! 

 

BLOG_LOGO_00000

Cursos com inscrições abertas pelo
http://www.umbandaead.com.br
e-mail:
contato@umbandaead.com.br
blog@umbandaead.com.br
Tel (14) 3010-7777
obs: os links desse texto estão sujeitos a alteração em razão da disponibilidade do curso e/ou produto

2 comentários em “Lixo de oferendas cobrem as areias de Praia Grande após Festa de Iemanjá

  1. Lamentável que ainda a consciência ambiental seja menosprezada justamente por aqueles que seguem a religião umbandista que ao meu ver é a religião que têm os elementos da natureza como um dos pilares de seu fundamento.
    Sabemos que o exemplo arrasta e creio que se deva levantar um movimento forte junto a toda a religião e seus seguidores para que tenham a responsabilidade com tudo que ofertam em lugares públicos preservando a natureza e o respeito a aqueles outros irmãos seguidores ou não que desfrutam destes lugares públicos.

    Curtir

  2. A religião precisa evoluir com o planeta, barquinhos de isopor, garrafas plásticos sujam! até flores, se vc pensar uma flor nao irá causar nada, mas 30mil num dia causará.. Cultuamos a natureza temos que parar de sujar matas, cachoeiras, encruzilhadas, rios e mares.. No mínimo solte as pétalas de rosa do cabo e o destine de volta a uma mata onde poderá virar adubo.. Vamos amar o nosso planeta, pois é ele que movimenta as energias. Na verdade isso vale para o dia dia, nao so nas festividades..

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s