Terreiros de Candomblé ganham livros em versão on line

Seg, 11 de Abril, 2016

São Félix e Cachoeira são municípios baianos situados às margens do Rio Paraguaçu. Palco de encontros – índio, africano, europeu – em seu processo de fundação, as cidades exprimem em si a miscigenação do povo brasileiro.

Atualmente são consideradas berços históricos do país e abrigam uma rica diversidade cultural, que podem ser encontradas nos museus, nas manifestações populares, bem como no forte sincretismo religioso.

Bumba-meu-boi, Queima de Judas, Reisado, Samba de Roda, Afoxé, Comunidades Quilombolas, Bando Anunciador, Levagem da Lenha, Trança de Fitas… essas e outras manifestações se fazem presentes em São Félix e Cachoeira, evidenciando a cultura – e consequentemente a mistura –  das três vertentes que compuseram o grupo étnico do país.

Dentro dessa realidade o IPACInstituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia órgão vinculado a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) que é responsável pela proteção de bens culturais baianos lançou no ano passado a primeira tiragem do livro Terreiros de Candomblé de Cachoeira e São Félix, que conta a história de 10 terreiros de nação nagô, nagô-vodum, jeje-mahi e angola presentes nas cidades do recôncavo baiano.

Ver também: ICA recebe prêmio do IPHAN em Salvador (BA)

O livro é o 9º editorial da sequência de “Cadernos do IPAC” iniciados em 2009 e tem como objetivo servir de material para estudiosos e leitores em geral e assim preservar a história dos espaços de práticas culturais coletivas. Todos os terreiros apresentados carregam o título de Patrimônio Imaterial do Estado e fazem parte agora do plano de salvaguarda do IPAC.

Atualmente o caderno está disponível para download no site do IPAC. Acessando ipac.ba.gov.br na área downloads é possível encontrar o tópico “Cadernos do IPAC” onde estão disponíveis todas as edições do projeto incluindo a dos 10 terreiros de São Félix e Cachoeira.

O candomblé, criado no Brasil, permitiu a reestruturação dos povos africanos, possibilitando a criação de novas relações afetivas, formando novos laços de família de irmãos, pais e mães de santo. Assim, se fortaleceu o povo de santo, enfrentando o preconceito da sociedade civil, com o propósito de impor o respeito às suas crenças, criando uma teia de solidariedade, sobrevivendo às perseguições do Estado, da Igreja Apostólica Romana e da Inquisição à época que criminalizava as práticas religiosas dos indígenas e dos africanos, considerando-as “feitiçaria“.

Trecho do livro Terreiros de Candomblé de Cachoeira e São Félix

Segundo informações do site do IPAC ainda nesse semestre também será divulgado um vídeodocumentário sobre esses terreiros em cerimônia na cidade de Cachoeira-BA.

Se você é uma instituição cultural, escola, universidade, biblioteca ou agente municipal alguns dos materiais produzidos pelo IPAC são destinados a essas instituições. Para mais informações sobre isso entre em contato com a coordenação de Articulação e Difusão (Coad) do IPAC via telefone pelo (71) 3116-6945 ou coad.ipac@ipac.ba.gov.br

Texto: Júlia Pereira

Imagem: Site IPAC 

Umb_EAD_2014

Cursos com inscrições abertas pelo

www.umbandaead.com.br

e-mail:

contato@umbandaead.com.br

blog@umbandaead.com.br

Tel (14) 3010-7777

obs: os links desse texto estão sujeitos a alteração em razão da disponibilidade do curso, site e/ou produto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s