A influência da Umbanda nas novas tendências musicais

O cenário da nova música brasileira está cada vez mais diverso, e nessa pluralidade de elementos, os Orixás encontraram espaço nas rimas de cantores da atualidade


É certo que a Umbanda assim, como a cultura afro sempre esteve presente em vários aspectos do nosso dia-a-dia, com presença forte na musicalidade do país. Os cantores de MPB em especial, trazem nas composições referências a essa religiosidade. Não somente nas letras, a menção a cultura afro é manifestada no ritmo e som dos instrumentos usados para compor a melodia.

Margareth Menezes, Maria Bethânia, Clara Nunes e Caetano Veloso, são exemplos de alguns dos cantores que enredaram com maestria composições, a luz de inspiração nos Orixás. Uns de umbanda outros de candomblé, mas todos grandes no quesito representação da fé afro-brasileira.

Leia: Campanha Jovem Negro Vivo

Hoje, essa representação migra de gênero e os cantores que as interpretam atingem públicos dos mais diversos valores e tradições. Em entrevista ao portal Geledés o rapper brasileiro Emicida, diz não seguir a uma religião, mas que pra ele estar bem com Deus é o que basta. “Se eu tô feliz, Deus tá feliz. Se eu tô triste, Deus tá triste” completa. Seguindo a mesma premissa, o ativista, cantor e compositor Criolo, também sugere elementos de Umbanda em suas rimas. Veja abaixo alguns exemplos:

 

Música: Ubuntu Fristilli, Emicida.

emici
Emicida. Álbum: Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa

Saravá Ogum, saravá Xangô, saravá
Saravá vovó, saravá vovô, saravá
Saravá mamãe, saravá papai, 

De pele ou digital, tanto faz é tambô

Axé pra quem é de axé
Pra chegar bem vilão
Independente da sua fé
Música é nossa religião

 

Música: Convoque seu Buda, Criolo.

Machado de Xangô, fazer honrar teu chorocriolo2

De Uzi na mão, soldado do morro

Música: Mariô, Criolo.

Ogum adjo, ê mariô
(Okunlakaiê)
Ogum adjo, ê mariô
(Okunlakaiê) 

Para compor seu novo álbum Emicida visitou países da África que falam o idioma português, e nessa viagem relatou encontrar muito da cultura brasileira; religiosidade, comida, costumes, inseridos no continente.  Ainda hoje, a Umbanda segue pouco externada entre os brasileiros. O último senso do IBGE apontou 0,3% da população como praticantes declarados.

Veja também: 8º Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa 

O reconhecimento da religião dentro do cenário musical, é importante porque traz visibilidade a cultura. Os números do senso não condizem com expansão da Umbanda no país, notando assim o receio dos seguidores em expor sua crença. Dessa forma, a afirmação da existência das religiões de matriz afro dentro de contexto musical moderno, contribui para a construção de uma consciência de respeito e tolerância as diversidades.

 

Texto: Júlia Pereira 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s