Tudo que você precisa saber sobre os orixás Cósmicos e Universais
17 de janeiro de 2017
ERVAS NA FORÇA DE PAI OXÓSSI
19 de janeiro de 2017
Exibir tudo

O que "as Umbandas" têm em comum?

É com essa pergunta que Pai Alexandre Cumino inicia o terceiro Episódio da Teologia de Umbanda – Jornada e aproveitando o gancho, o Blog Umbanda EAD lança uma pergunta a vocês leitores: existe uma Umbanda verdadeira?

Bom é sobre essa diversidade de formas de se sentir e fazer Umbanda e o que elas compartilham em comum que o texto de hoje se dispõe a falar!

Uma religião NÃO dogmática

A Umbanda como a maioria de nós já deve ter escutado falar (e se não, agora passa a entender) é uma religião livre de dogmas, ou seja, na Umbanda não existe uma única verdade a ser seguida, não temos como restrição o pecado, não elegemos um Papa e nem temos como norte comportamental uma escrita sagrada.

O sagrado para o Umbandista está na natureza e o zelo com a saúde mental, emocional, espiritual e física é o que nos distancia do que é prejudicial ao nosso viver e que pode ser entendido (mas não somente) como pecado para outras instituições religiosas.

Enfim, entendemos que a Umbanda não comporta dogmas, mas não obstante, a prática umbandista possui fundamentos e esses se encontram alicerçados no Ritual de Umbanda, que por sua vez, a definem e a distinguem das demais crenças.

A maioria das religiões possuem templos e estrutura sacerdotal para a manutenção do templo e do ritual, no entanto não é imprescindível esta estrutura. Algumas fazem da natureza o seu templo vivo, outras encontram o ser humano como templo ideal para suas práticas voltadas à introspecção.

A Umbanda e o Umbandista, Alexandre Cumino

O que é ritual?

ritual é o que define a unidade da Umbanda. Ele está presente em todas as Umbandas, no que chamamos de sessões ou giras, logo ao pisar em um terreiro já estamos em contato com a ritualística que envolve a religião, que podem ser concebidas de maneiras diferentes, mas que possuem fundamentos em comum.

É o ritual que irá definir o momento de rezar, de cantar, de incorporar, de saudar determinada linha, de dar consulta e de encerrar. Pai Alexandre Cumino exemplifica isso durante a Jornada (inscrições abertas, clique aqui) na Umbanda esse ritual irá acontecer normalmente com uma oração de abertura, uma saudação à esquerda, a defumação, o bater cabeça, a louvação ao chefe da casa, a incorporação, o atendimento, o cantar pra subir (desincorporação), o cantar pra fechar e o encerramento da gira. Esse ritual genuinamente umbandista foi desenvolvido pelo Caboclo das 7 Encruzilhadas e é isso que define a Umbanda” explica o Sacerdote.

Portanto, o Ritual de Umbanda pode agregar em si diferenciações, por exemplo, algumas casas optam pela preleção (explanação do Sacerdote) durante a gira, outras não. Isso é pertinente a particularidade de cada terreiro, mas a estrutura de atendimento e os fundamentos obedecerão a uma mesma ritualística que marca a essência da Umbanda.

 

O que é fundamento na Umbanda?

São o conjunto de práticas e ritos presentes em tudo o que consideramos Umbanda. Os pontos cantados são um exemplo de fundamento umbandista. Na Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade que é onde podemos considerar a origem da religião encontramos os pontos cantados disseminados como fundamento da casa, bem como o uso de uniforme branco e o altar com santos católicos. Nesse link você pode ouvir alguns audios que tratam do início da religião e que citam alguns de seus fundamentos pelo próprio Zélio Fernandino de Moraes.

O material de apoio da Teologia de Umbanda – Jornada, desenvolvido por Pai Alexandre Cumino também adentra o assunto dos fundamentos umbandistas:

FUNDAMENTOS são os elementos ou conhecimentos básicos, fundamentais, que dão sustentação à religião. É o mínimo ao qual todos devem conhecer sobre sua religião. Embora pratique-se a Umbanda de mil formas diferentes existe algo nela que iguala a todos e os tornam praticantes de uma única e mesma religião, são os seus fundamentos colocados em prática. Logo, tudo o que não faz parte da Umbanda pode ser definido como aquilo que não é seu fundamento, algo em que ela, a Umbanda, não crê.”

Nessa linha, o mentor do estudo continua explicando o que não é Umbanda e as suas diferenciações com outras formas de cultos, como o Candomblé e o Espiritismo – duas vertentes fortemente confundidas com a Umbanda, até mesmo pelos adeptos da religião, mas esse assunto é aprofundamento para a aula 🙂

tu-02

Gravações da Jornada, no estúdio Umbanda EAD em Bauru – SP.

Religiões e suas variações

Pode ser que a falta de dogmas pareça estranho ao primeiro momento, mas podemos comparar “as Umbandas” (Tradicional, Iniciática, Popular, Omolokô, Branca, Esotérica, Eclética, Sagrada e etc) que são as vertentes dessa crença, ou seja modos diferentes de conceber e praticar a mesma religião, com as três principais vertentes do Cristianismo: catolicismo romano, ortodoxa oriental e o protestantismo.

Pai Alexandre Cumino cita os “catolicismos” presentes dentro do segmento católico como um dos personagens que também dão condições para exemplificar essas variações.

Até mesmo a igreja católica que é uma religião UNA (a mesma profissão de fé e de disciplina moral e a mesma celebração de culto e sacramentos) pode ser apresentada por catolicismos, catolicismo mariano, franciscano, beneditino, carismático dentre outros e isso acontece com todas as maiores manifestações religiosas.

Ele conclui o pensamento dizendo que esse fenômeno é algo natural as religiões e que com a Umbanda não seria diferente, por isso não existe uma Umbanda melhor do que a outra, mas sim uma diversidade que pode ser entendida em sua unidade e que a classifica como tal. “Boa parte do que é a unidade da Umbanda nós veremos na semente original plantada por Zélio de Moraes, porque ele, o Caboclo das 7 Encruzilhadas e Pai Antônio deram a estrutura do primeiro templo de Umbanda” encerra.

Em um próximo texto elencaremos todas as vertentes de Umbanda que se conhecimento hoje e algumas das suas particularidades.

Saravá!

 

Para saber mais sobre a religião, seus fundamentos, crenças e significado de tudo o que vivenciamos no Ritual de Umbanda indicamos o acesso a Teologia de Umbanda – Jornada. Clique no link e saiba como ingressar na turma de 2018 >> www.eadumbanda.com.br/plans/teologia-de-umbanda-jornada-2018 <<


 

Texto:

Júlia Pereira

Imagem:

Pedro Belluomini

 

Fonte de Pesquisa:

Estudo em Umbanda para Iniciantes

Jornada Teológica de Umbanda 

A Umbanda e o Umbandista, Ed. Madras, Alexandre Cumino

O livro das Religiões, Ed. Globo Livros

 

Estudos com inscrições abertas pelo
www.umbandaead.com.br
e-mail:
[email protected]
[email protected]
Tel (14) 3010-7777
obs: os links desse texto estão sujeitos a alteração em razão da disponibilidade do curso e/ou produto
Pedimos aos irmãos que desejem compartillhar os textos desse blog creditem a fonte lincando para o nosso endereço
Informação da fonte!

4 Comentários

  1. Matheus Carvalho disse:

    Olá! Parabéns pelo texto. É muito esclarecedor.
    Eu gostaria de colocar um posicionamento pessoal e um questionamento que é pouco abordado mas causa dúvida em muitas pessoas.
    Eu frequentei um templo em minha cidade natal que se intitula como Umbandaime (umbanda + Santo Daime) e lá em diversas atividades da casa os fieis tem que pagar para entrar, eles cobram a bebida do Santo Deime e queriam cobrar recentemente 50,00 para que se consultasse com uma entidade (Maria Padilha).
    Se vocês puderem me esclarecer a respeito desse assunto e qual a opinião de vocês.
    Esse templo vem crescendo muito e eles investem bastante em mídia, jornais e redes sociais.
    Eu fico preocupado com isso e gostaria da visão de vocês. Na minha opinião e o que eu sei sobre a Umbanda não existe espaço para que haja troca de favores espirituais por pagamento monetário, as doações devem ser espontâneas e voluntárias para a manutenção do templo, quando ele existe.
    Gratidão! Axé!

    • Umbanda EAD disse:

      Matheus, a Umbanda é uma religião onde o amor é seu dogma e a caridade sua ação de amor. Acreditamos que é indevido qualquer tipo de remuneração em nome do trabalho espiritual das entidades. Siga seu coração, axé!

  2. Boa tarde!
    Meu nome é Clicia, sou evangélica e meu esposo é da religião umbanda,e agora será que não irei me salvar, segundo a Bíblia sagrada, umbanda é uma seita e não uma religião, e não foi instituída por Deus,e somos salvos através de Jesus Cristo, o Filho do Deus vivo,no livro de Samuel,o rei Saul foi consultar_lo através de uma médium,a qual era proibido por Deus consultar espírito de mortos, pois o rei Samuel havia morrido, então houve um castigo Divino,no qual Deus falou através da médium que por invoca o espírito de Samuel ele naquele mesmo dia, ele e o seu filho, por ter ido consulta aquela mulher vidente,em vez de consulta o Deus poderoso e criador do universo, confesso que estou com medo e muitas duvidas,me respondam o que faço, se não puder seguir o meu esposo?? tenho medo de mudar e ser tbem castigada,me ajude por favor!
    Grata!
    Axé

    • Umbanda EAD disse:

      Boa tarde irmã.

      A sua aflição acontece, talvez, acredito eu, por um desconhecimento da religião. Onde se tem Umbanda, se tem amor e respeito. Se isso não acontece no ambiente em que seu marido frequenta, não é Umbanda, que está se praticando ali. Umbanda é religião e como tal, só pode propagar valores e ensinamentos que contribuam para a melhora do indivíduo, levando em consideração o que ele acredita. Entende? Tudo certo em você acreditar em uma forma de “falar” com Deus e se marido acreditar em outra. Se você entende que ele tem uma religião e não uma seita, você entende também que vocês clamam pelo mesmo Deus, só fazem isso de maneira diferentes.

      Umbanda é religião, como é a sua.

      Grande axé!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.