PULAR 7 ONDAS: O RITO UMBANDISTA QUE O BRASILEIRO PRATICA SEM SABER

Entre os anos 60 e 70 várias práticas que tangem os ritos em homenagem a Mãe Iemanjá foram disseminados e passaram a servir de “simpatia” de final de ano a pessoas que seguiam outras vertentes religiosas ou se consideravam espiritualistas. 

Esse comportamento vai resultar em tradições que ultrapassam a camada umbandista e se tornam usuais a pessoas dos mais variados credos, no dia 31 de dezembro. Desta forma, reconhecemos o ato de pular 7 ondas como um dos exemplos mais expressivos dessas manifestações.

Hoje vemos muitas pessoas comemorando o Ano Novo na orla marítima vestidos de branco, pulando sete ondas e levando champagne para ser “estourada” no mar; realizam esse “ritual” como uma simpatia, sem se darem conta de que o mesmo faz parte da tradição umbandista, que há um século vem influenciando nossa sociedade.

Pai Alexandre Cumino, em História da Umbanda

Origem das festividades no litoral

Por volta do ano de 1956, em 8 e 9 de dezembro no litoral paulista ocorria uma festividade denominada encontro das águas, nela umbandistas de diversas casas exaltavam o sincretismo entre Iemanjá e Nossa Senhora da Conceição, santa católica sincretizada com Oxum.

O evento foi idealizado por Pai Jaú e tinha como objetivo levar em procissão a imagem de Mãe Iemanjá ao encontro da de Mamãe Oxum (representada pela imagem de N.S. da Conceição) que era levada por José Costa Moura da Federação Umbandista do Estado de São Paulo.

Isso aconteceu durante alguns anos no local, até que em decorrência do aumento significativo dos frequentadores da festa, que na época acontecia em uma área militar na Praia das Vacas, litoral paulista os festejos acabaram sendo proibidos e assim o “encontro das águas” passou a ser realizado em Praia Grande – SP.

Iemanjá agora é POP

Depois da mudança a Festa de Iemanjá ganha força e toma uma proporção enorme, atraindo diversas tendas e médiuns que partilhavam do modelo de festividade iniciado por Pai Jaú.

Em 1969 a festa é oficializada pelo prefeito regente e se torna cada vez mais popular. Segundo o tabloide Integração Umbandista, em seu auge – meados de 1979 – o evento chegou a atrair mais de 1 milhão de pessoas de todas as regiões do país.

Com a notoriedade do evento, a Festa a Iemanjá passou a ser comemorada também no Rio de Janeiro, só que lá, no dia 31 de dezembro.

O entendimento sobre a origem da popularização dos ritos umbandistas no final de ano explica boa parte dos costumes que acabaram se fincando nas camadas populares e que são reproduzidos até hoje.

O ‘pular 7 ondas’ está nessa categoria de ritos frequentemente realizados durante às homenagens dedicadas a Mãe Iemanjá no 31 de Dezembro, no entanto, cada vertente tem a liberdade de conceber a ele um fundamento. Purificação do corpo e espírito, devoção aos Orixás em especial à Iemanjá que é dona das águas salgadas, a renovação de um ciclo e saudação às 7 linhas de Umbanda são algumas das intenções dos adeptos ao se dirigir ao mar no 31 de dezembro.

O número 7 é por excelência parte da cultura de Umbanda, sendo que, dentro da tradição entendemos as 7 Linhas de Umbanda como os 7 sentidos da vida ou as 7 qualidades de Deus que são representados pelos 7 Orixás ou Tronos Divinos (Oxalá, Oxum, Oxóssi, Xangô, Ogum, Obaluaiê e Iemanjá).

Não se sabe ao certo a data oficial em que o pular 7 ondas foi inaugurado e nem quem deu os primeiros saltos na beira do mar, o que sabemos é que isso já está tão enraizado na cultura popular que é normal que as pessoas o reproduzam sem entender ao certo o seu sentido.

O texto de amanhã do blog vai explicar porque usar branco na virada também é algo que surgiu com a tradição umbandista!

SALVE às 7 Linhas de Umbanda, Salve Mamãe Iemanjá! Odoyá!!

 

Texto:

Júlia Pereira

Imagem:

retirada da internet (clique aqui para acessar)

Estudos com inscrições abertas pelo
umbandaead.com.br
e-mail:
contato@umbandaead.com.br
blog@umbandaead.com.br
Tel (14) 3010-7777
obs: os links desse texto estão sujeitos a alteração em razão da disponibilidade do estudo e/ou produto
Pedimos para que os irmãos que desejem compartillhar os textos desse blog creditem a fonte lincando para o nosso endereço.
Informação da fonte!

1 comentário

  1. Achei “estranho” a festa em 9 de dezembro, na Paraíba e Pernambuco celebra-se Yemanjá no dia 08 de dezembro. É na Bahia em 8 de dezembro celebra-se o dia de Nossa Senhora dá Conceição ou Conceição dá Praia como é mais conhecida !

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s