Forfun agora é Braza e saúda Oxalá em clipe de álbum homônimo
23 de novembro de 2016
"Pombagira? Credo, sangue de Jesus!" professora proíbe alunos de exibir trabalho sobre Pombagira
25 de novembro de 2016
Exibir tudo

Uma contribuição para o debate sobre a questão do abate religioso de animais no Brasil

Patrícia Ricardo de Souza Globo,

 

O debate acerca da plena liberdade de culto das religiões de matriz africana no Brasil, ganha novamente a cena graças à recente aprovação de uma lei em Cotia SP proibindo o sacrifício ritual de animais. Mais relevante ainda, o julgamento iminente (que ainda não tem data marcada) no Supremo Tribunal Federal de um recurso do Ministério Público do Rio Grande do Sul que visa suprimir de uma lei estadual o trecho que garante às religiões afrobrasileiras o direito à prática de sacrifício ritual de animais (“É vedado ofender ou agredir fisicamente os animais, sujeitando-os a qualquer tipo de experiência capaz de causar sofrimento ou dano, bem como as que criem condições inaceitáveis de existência; […] enclausurar animais com outros que os molestem ou aterrorizem; […] Não se enquadra nessa vedação o livre exercício dos cultos e liturgias das religiões de matriz africana” (art. 2º da Lei 11.915/ 2003, atualizada pela Lei 12.131/2004).

O argumento por trás dessa tentativa é tratar com isonomia outras religiões que também praticam o sacrifício de animais (judaísmo e islamismo), e que não foram mencionadas na lei. Garantir a isonomia do tratamento das religiões parece uma boa ideia, mas a realidade é que as religiões de matriz africana sofrem preconceito no Brasil desde seu surgimento. E esse preconceito tem se acirrado nos últimos tempos, haja visto as diversas notícias de agressões sofridas por participantes dessas religiões, as violações de templos e a perene demonização de seus deuses e entidades.

Junta-se a isso o fato de que o País, e o mundo, vive uma forte onda de conservadorismo e intolerância cuja dimensão ainda não alcançamos visto que seu fim parece estar bem longe, infelizmente.

Diante desse cenário cabe a defesa da manutenção da menção às práticas das religiões de matriz africana na lei, sim. Trata-se de garantir e reforçar a liberdade de essas existirem e praticarem suas liturgias como bem entendem. Não custa lembrar que a liberdade de culto é garantia constitucional, mas tentativas de criminalizar as religiões de matriz africana pela prática ritual de sacrifício de animais é também uma realidade.

O preconceito que pesa sobre essas religiões, não se pode esquecer, é também uma faceta do preconceito racial que grassa nessa sociedade. A liberdade religiosa é vital e não podemos aceitar nenhum retrocesso nesse aspecto, para não fragilizar ainda mais a nossa jovem democracia já tão atingida pelos últimos acontecimentos políticos.

Ademais, vale lembrar, que o abate ritual de animais no interior das religiões de matriz africana é ritual. O que significa dizer que ele é praticado em pequena escala, que esses animais não sofrem maus tratos, tem uma vida digna e sua morte é honrada por toda a comunidade que consome sua carne em refeições comunitárias.

O momento é de estar atento e forte, de lutar para garantir o direito das religiões de matriz africana existirem, cultuarem seus deuses e entidades com liberdade e paz, para o bem dessas religiões, da diversidade e da cidadania. Axé!

 

Foto: Mario Cravo Neto

BLOG_LOGO_00000

Cursos com inscrições abertas pelo
www.umbandaead.com.br
e-mail:
[email protected]
[email protected]
Tel (14) 3010-7777
obs: os links desse texto estão sujeitos a alteração em razão da disponibilidade do curso e/ou prod

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Ei!🖐🏽
Continue em contato  
Receba com exclusividade infos sobre Umbanda
Escolha fazer parte do grupo de leitores e descadastre-se quando quiser. Axé!
close-link