Abate religioso e Crime Ambiental
17 de novembro de 2016
Umbanda como patrimônio cultural imaterial do Rio de Janeiro. O que isso representa?
18 de novembro de 2016
Exibir tudo

Abate religioso é humanitário e não sacrifica o animal

Holocausto, sacrifício, degola: essas são algumas das palavras empregadas pela Bíblia para denominar o abate animal.

A Torá utiliza o termo sacrifício e o Alcorão menciona igualmente o sacrifício.

A despeito da terminologia empregada pelas religiões, a legislação brasileira, europeia e norte-americana emprega a expressão “ocisão” ou “abate religioso”, diferenciando-o do abate comercial.

Do ponto de vista legal, portanto, a morte animal tem exatamente a mesma significação, tenha ela finalidade comercial ou religiosa.

Se por um lado o substantivo “abate” possui o mesmo significado jurídico (comercial ou religioso), o substantivo “sacrifício” e o verbo “sacrificar” apresentam sentidos diversos, quase sempre negativos e associados a algo ruim.

Segundo os dicionários, sacrificar quer dizer “oferecer a vítima a divindade” (hóstia) mas significa também vitimar, prejudicar, sujeitar a riscos.

O detalhe é que a maioria senão a totalidade das pessoas não tem informação sobre abate religioso e sequer sabe que este preceito é adotado por judeus e muçulmanos, além dos fies das Religiões Afro-brasileiras.

No imaginário social brasileiro, abate religioso está limitado a galinhas decepadas e dispensadas na via pública, frequentemente acompanhadas de farofa, utensílios de barro e garrafas.

A intolerância religiosa somou-se à desinformação e acabou por associar “sacrifício animal” a sofrimento animal, maus-tratos, abuso, crueldade.

Milhões de animais são mortos diariamente para abastecer o comércio de hambúrgueres, churrascarias, sapatarias e lojas de grife. Nem por isso se ouve a expressão “sacrifício animal comercial”!!!

O número de animais abatidos para fins econômicos supera milhões de vezes o ínfimo número de animais abatidos nas liturgias afro-brasileiras, por exemplo.

Ademais, a degola, utilizada igualmente por candomblecistas, judeus e muçulmanos, não demanda mais do que 2 (dois) segundos para levar o animal à inconsciência.

Por todas estas razões, o termo correto é abate religioso.

Não apenas porque trata-se de linguagem empregada pela lei, mas sobretudo porque dificulta a utilização da palavra “sacrifício” como mais um argumento a favor da intolerância religiosa e contra as Religiões Afro-brasileiras.

Além disso, a expressão “abate” serve para lembrar a sociedade que, para ter credibilidade, a condenação do abate religioso deve ser feita por vegetarianos, veganos e opositores do abate comercial.

Quanto mais pudermos desmascarar e isolar a intolerância religiosa, maiores serão as chances de êxito sobre ela.

Hédio Silva Jr., Advogado, Mestre e Doutor em Direito pela PUC-SP, ex- Secretário da Justiça do Estado de São Paulo, Professor da Plataforma Umbanda EAD

hedio-2-img_5263-2

 

 

Artigos Relacionados: Ritos de Iniciação e Sacrifício de Animais no Candomblé

Imagem: Carybé

1 Comentário

  1. José Alabiy Ifakoya Gomes Barbosa disse:

    Mais uma vez parabens meu nobre baluarte de nossa liderança jurídica Dr Hédio da Silva Jr,pelos termos empregado hj juridicamente falando, uma vez que temos rituais sagrados junto à rezas milenares ,onde cremos fielmente que os animais oferecidos as nossas divindades ,estes sim, estão isentos da tão cruel palavra SACRIFÍCIO!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Ei!🖐🏽
Continue em contato  
Receba com exclusividade infos sobre Umbanda
Escolha fazer parte do grupo de leitores e descadastre-se quando quiser. Axé!
close-link