Abate religioso é humanitário e não sacrifica o animal

Holocausto, sacrifício, degola: essas são algumas das palavras empregadas pela Bíblia para denominar o abate animal.

A Torá utiliza o termo sacrifício e o Alcorão menciona igualmente o sacrifício.

A despeito da terminologia empregada pelas religiões, a legislação brasileira, europeia e norte-americana emprega a expressão “ocisão” ou “abate religioso”, diferenciando-o do abate comercial.

Do ponto de vista legal, portanto, a morte animal tem exatamente a mesma significação, tenha ela finalidade comercial ou religiosa.

Se por um lado o substantivo “abate” possui o mesmo significado jurídico (comercial ou religioso), o substantivo “sacrifício” e o verbo “sacrificar” apresentam sentidos diversos, quase sempre negativos e associados a algo ruim.

Segundo os dicionários, sacrificar quer dizer “oferecer a vítima a divindade” (hóstia) mas significa também vitimar, prejudicar, sujeitar a riscos.

O detalhe é que a maioria senão a totalidade das pessoas não tem informação sobre abate religioso e sequer sabe que este preceito é adotado por judeus e muçulmanos, além dos fies das Religiões Afro-brasileiras.

No imaginário social brasileiro, abate religioso está limitado a galinhas decepadas e dispensadas na via pública, frequentemente acompanhadas de farofa, utensílios de barro e garrafas.

A intolerância religiosa somou-se à desinformação e acabou por associar “sacrifício animal” a sofrimento animal, maus-tratos, abuso, crueldade.

Milhões de animais são mortos diariamente para abastecer o comércio de hambúrgueres, churrascarias, sapatarias e lojas de grife. Nem por isso se ouve a expressão “sacrifício animal comercial”!!!

O número de animais abatidos para fins econômicos supera milhões de vezes o ínfimo número de animais abatidos nas liturgias afro-brasileiras, por exemplo.

Ademais, a degola, utilizada igualmente por candomblecistas, judeus e muçulmanos, não demanda mais do que 2 (dois) segundos para levar o animal à inconsciência.

Por todas estas razões, o termo correto é abate religioso.

Não apenas porque trata-se de linguagem empregada pela lei, mas sobretudo porque dificulta a utilização da palavra “sacrifício” como mais um argumento a favor da intolerância religiosa e contra as Religiões Afro-brasileiras.

Além disso, a expressão “abate” serve para lembrar a sociedade que, para ter credibilidade, a condenação do abate religioso deve ser feita por vegetarianos, veganos e opositores do abate comercial.

Quanto mais pudermos desmascarar e isolar a intolerância religiosa, maiores serão as chances de êxito sobre ela.

Hédio Silva Jr., Advogado, Mestre e Doutor em Direito pela PUC-SP, ex- Secretário da Justiça do Estado de São Paulo, Professor da Plataforma Umbanda EAD

hedio-2-img_5263-2

 

 

Artigos Relacionados: Ritos de Iniciação e Sacrifício de Animais no Candomblé

Imagem: Carybé

Um comentário em “Abate religioso é humanitário e não sacrifica o animal

  1. Mais uma vez parabens meu nobre baluarte de nossa liderança jurídica Dr Hédio da Silva Jr,pelos termos empregado hj juridicamente falando, uma vez que temos rituais sagrados junto à rezas milenares ,onde cremos fielmente que os animais oferecidos as nossas divindades ,estes sim, estão isentos da tão cruel palavra SACRIFÍCIO!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s