Estudo, pesquisa e vida religiosa. Saiba mais sobre a Prof e Ekedi Patricia Globo

O texto de hoje vai falar um pouco sobre Patricia Globo, tutora do curso Candomblé – Religião, Cultura e Tradição, da plataforma Umbanda EAD. Patricia é socióloga formada pela Universidade de São Paulo – USP, tendo sua tese de doutorado fincada na estética e simbolismo das roupas e adornos do Candomblé.

A sua história com o Candomblé teve início por meio de uma pesquisa de iniciação científica. Nesse momento, Patricia chega até o Ilê Axé Iemojá Orukoré Ogum (A casa de Iemanjá para a glória de Ogum) – Casa das Águas, aonde posteriormente segundo ela mesmo Ogum a iria suspender Ekedi.

Sobre a Casa das Águas

O Ilê que segue a tradição do Candomblé Queto afro-baiano tem como dirigente o Babalorixá Armando de Ogum que é bacharel em comunicação e doutorado em sociologia pela USP. Pai Armando é filho de santo do professor Agenor Miranda Rocha, que por sua vez é filho de santo de Mãe aninha Obábií, fundadora de um dos principais e primeiros terreiros de Candomblé do país, o Ilê Axé Opó Afonjá, atualmente comandado por Mãe Stella de Oxóssi.

Fundando em 1987 o Ilê Axé Yemojá Orukoré Ògún já teve duas outras sedes, e hoje se encontra em Itapevi, Grande São Paulo.

Visita ao Ilê

Patricia Globo fala que na sua primeira visita a Casa das Águas já se identificou com o local e com o sacerdote, ela completa falando sobre sua primeira impressão “Nossa como isso é bonito, que cheiro bom, que claro!” ela continua dizendo que a ocasião era uma festa de Ogum que estava acontecendo no período da manhã e o cheiro das folhas pisadas, a recepção da Ekedi tudo a encantou de imediato. “Nossa que mulher linda, que bonito isso e gostei daquele lugar” descreve.

Mesmo assim, o período de dúvidas e questionamentos sobre esse novo universo ainda durou por um bom tempo, mas segundo ela outra aspecto que auxiliava nesse caminho era o suporte que o babalorixá da casa oferecia (uma postura não tão comum).

Veja também: Candomblé uma religião urbana e organizada por mãos femininas
Ekedi

Ser suspensa pelo orixá quer dizer que a pessoa foi escolhida para exercer determinado cargo dentro do Ilê e isso acontece normalmente com quem não entra em transe. No caso de Patricia, havia um festa e o orixá a pegou pelas mãos e disse que a queria como Ekedi de Ogum.

Segundo ela, Ekedi são as mulheres escolhidas para cuidar do Orixá, e para entender melhor isso, podemos fazer uma comparação com as/os cambones dos terreiros de Umbanda.

Bom, esse é um trecho da entrevista da Prof. Ekedi Patricia Globo para a plataforma Umbanda EAD da qual Patricia hoje faz parte, ministrando o curso Candomblé – Religião, Cultura e Tradição. Para saber mais sobre o seu trabalho CLIQUE AQUI e acesse o conteúdo na íntegra.

Pra quem se interessa sobre o que o Candomblé pensa sobre sociedade, conceitos de moral e tradição o curso está com inscrições abertas! Acessando o link umbandaead.com.br/candomble você também pode fazer o download gratuito do ebook Conversando com Povo de Santo!

 

 

Texto: Júlia Pereira

Imagem: Arquivo Umbanda EAD

 

BLOG_LOGO_00000
Cursos com inscrições abertas pelo
www.umbandaead.com.br
e-mail:
contato@umbandaead.com.br
blog@umbandaead.com.br
Tel (14) 3010-7777

obs: os links desse texto estão sujeitos a alteração em razão da disponibilidade do curso e/ou produto

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s