Fragmentos de Umbanda por Alexandre Cumino
17 de maio de 2016
Prece de Defumação
21 de maio de 2016
Exibir tudo

11 curiosidades sobre plantas de poder nos rituais de Xamanismo

plantas de poder
Nesses tópicos enumeramos onze curiosidades sobre o uso das plantas de poder em rituais xamânicos.

1) Sintonize sua vibração com as plantas de poder

Para utilizar plantas de poder em cerimônias de tratamento e curas, como o chá de Ayahuasca. Os Xamãs obtém a autorização somente quando recebem um canto. Na Amazônia peruana esses cantos são chamados de ícaros e são eles que irão invocar os “poderes invisíveis” que facilitarão a cura.

2) “A fé é a visão das coisas que não se vêem” – Italo Calvino

As plantas de poder desencadeiam a ampliação da visão, de modo com que o Xamã consiga enxergar as entidades da floresta. Assim ele passa a ter contato direto com o mundo espiritual.

ASSINE ESTUDO SOBRE XAMANISMO 

3) “Superpoder”

Alguns xamãs acreditam na ideia de que as plantas de poder ampliam a sua força física, dotando-os para a realização de algumas atividades. Subir uma montanha, caminhar por um longo trajeto e etc.

4) Sentir para crer

Legitimação do processo xamânico: pode ser observada quando uma pessoa precisa de uma “demonstração mais intensa” das práticas xamânicas.

Nesse contexto, o Xamã pode autorizar o consumo/uso dessas plantas pela pessoa que está em tratamento. Obs: esses são casos mais raros, complicados e de doenças mais fortes.

5) Qualquer pessoa pode fazer uso das plantas de poder?

O item anterior abre para uma asserção importante sobre o uso das plantas professoras. Tanto Ayahuasca, como o Peyote, a Jurema, dentre outras.. não são utilizadas por todos os praticantes. Somente os Xamãs que receberam o devido treinamento, utilizam essas plantas (enteógenas) para desenvolver suas práticas e promover a cura.

ASSINE ESTUDO SOBRE XAMANISMO 

6) Ayahuasca é pop e o pop não poupa ninguém!

A popularização do uso dessas plantas nos centros urbanos, principalmente a Ayahuasca, não significa propriamente que o contato com os espíritos realmente ocorra. Para que isso aconteça é necessário o preparo xamânico, que só acontece com a vivência com os anciões de determinada comunidade.

7) Uso sagrado da folha de coca

A Erythroxylum coca, planta amplamente conhecida por conter alcaloides usados na produção de drogas como cocaína, mesclado e crack, é uma das plantas de poder mais conhecidas entre os povos andinos.

A Mama Coca como é chamada por esses povos, além de ser usada em práticas religiosas, promove um efeito estimulante que ajuda a amenizar a fadiga causada pelos efeitos da altitude.

O uso da folha em chás ou mesmo “mascadas” controla também sensações de sede, fome e frio.

Obs: o uso in natura da coca não produz os efeitos nocivos da versão que passou por processo de refinamento. Suas propriedades psicoativas são absorvidas lentamente através do sistema digestivo.

 Veja também: 5 práticas Xamânicas no terreiro de Umbanda

8) Tradição é tradição!

Em alguns países da América do Sul, a produção controlada da folha de coca é autorizada, porém sua refinação é proibida. Em 2013 a Bolívia voltou a fazer parte da Convenção Única sobre Entorpecentes de 1961, que foi modificada para incluir uma exceção que autoriza e reconhece a produção da folha de coca para a prática tradicional da mastigação.

 ASSINE ESTUDO SOBRE XAMANISMO 

9) Índio quer cachimbo, índio quer fazer fumaça

A Cannabis Sativa é uma planta herbácea sagrada para algumas tribos indígenas. Os índios Huni Kuin por exemplo utilizam a Cannabis no contexto religioso e ritual, a qual atribuem ao shururumã – nome dado a planta por eles – o fenômeno da vidência.

10) Profanada e Difamada

Uma das versões sobre a origem da palavra maconha, diz sobre a junção entre as palavras e cânhamo (caule da planta), que denota a expressão um sentido pejorativo do uso da Cannabis.

 ASSINE ESTUDO SOBRE XAMANISMO 

11) 2 em 1

A Ayashuaca – ao contrário do que algumas pessoas concebem – é uma bebida feita pela junção de algumas plantas de poder. Não é um chá de uma planta apenas.

A mistura mais popular é a bebida feita com o cipó Jagube/Mariri ou Banisteriopsis Caapi e folhas da Chacrona ou Psicotria Viridis. 

___________________________________________________________________________________________________________________

 

A intenção do texto não é fazer apologia ao uso de nenhuma planta ou droga, apenas elucidar o significado que elas possuem dentro do trabalho xamânico de algumas comunidades tradicionais.

No texto foram dispostas algumas “curiosidades” sobre o assunto que são explicadas no estudo sobre Xamanismo Tradicional que integra a assinatura “Tradições” da plataforma Umbanda EAD.

No módulo também é falado sobre Salvia, Wachuma, Tabaco, Jurema. Bem como os aspectos dessas plantas (patológico, mental e emocional e espiritual).

Texto: Júlia Pereira 

Imagem: Pixabay

Fontes de Pesquisa:

Departamento de Psicobiologia UNIFESP

UNODC

Estudo Xamanismo Tradicional – Plataforma Umbanda EAD 

 

Estudos com inscrições abertas pelo
umbandaead.com.br
e-mail:
[email protected]
[email protected]
Tel (14) 3010-7777
obs: os links desse texto estão sujeitos a alteração em razão da disponibilidade do estudo e/ou produto
Pedimos para que os irmãos que desejem compartillhar os textos desse blog creditem a fonte lincando para o nosso endereço.
Informação da fonte!

0 Comentários

  1. Manuel disse:

    Gostaria de aprender mais do tópico, moro em manaus

  2. Domingod Marcelo disse:

    Apenas uma observação : Ayahuasca NÃO é um chá e sim um vinho, pois trata-se de um produto de fermentação tal qual é feito com a uva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.