Carybé: vida, arte e fé brasileira..

Sáb, 2 de Abril, 2016

carybé_10

Hector Julio Páride Bernabó teve a infância marcada pelas andanças do pai. Nascido em 07 de fevereiro de 1911, em Lanus, Argentina, Carybé – apelido conquistado em terras tupiniquins – ainda bebê muda-se com a família para Itália, onde se alfabetiza e vive até os oito anos.

Em 1919 desembarca no Brasil, conclui os estudos e mais tarde – em meados de 1927 – retorna ao país de nascimento.

Na Argentina Carybé começa a trabalhar no jornal “Prégon” onde era incumbido de viajar por diversos países registrando tudo por meio de reportagens e desenhos. Foi assim que o artista conheceu as mais diversas culturas e dentre elas o “mix” brasileiro.

Após esse encontro e as frequentes visitas ao Brasil, o então argentino se rende ao encanto que a Bahia comporta e em 1950 muda-se definitivamente para Salvador, naturalizando brasileiro em 1957.

Obra

Carybé experimentou diversas técnicas artísticas e entre pinturas, desenhos, esculturas e esboços, destacam-se as ilustrações que retratavam o cotidiano do povo baiano.

O sincretismo religioso, os rituais afros, a capoeira, o candomblé, tal como as diversas manifestações culturais locais inspiravam o artista que era apaixonado pela Bahia.

Suas obras renderam-lhe um grande legado não só como artista, mas também como representante da cultura afro-brasileira no país. Em seu círculo de amizades contava com ninguém menos que Jorge Amado, a quem dedicou diversas ilustrações, como o livro Jubiabá dentre vários outros que participou efetivamente produzindo parte dos textos.

carybé_02
Carybé e Jorge Amado

Pierre Verger, ilustre fotógrafo, etnólogo e sacerdote (babalawo) também era um dos amigos de Carybé, (amizade essa que inspirou grandes obras como Gente da Bahia) aliás foi Carybé que apresentou ao francês recém chegado os terreiros de Umbanda do Rio de Janeiro.

E religiosidade era outro forte de Carybé. O artista expunha muito de sua fé (adquirida no Brasil) em suas obras (ver: Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia).

Adepto do Candomblé Carybé era Ogã do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá, um dos mais tradicionais terreiros do país, fundado por Mãe Aninha, e hoje sob regência de Mãe Stella de Oxóssi.

 Ver também: Mulheres que fizeram e fazem história

Carybé morreu em 1997 aos 87 anos, e deixou um acervo com mais de 5.000 obras. Confira algumas delas:

carybé_03

carybé_05

 carybé_06

carybé_08

carybé_07

Aeroporto Internacional de Miami. Terminal Sul H
Aeroporto Internacional de Miami. Terminal Sul H

 

Texto: Júlia Pereira

Imagens: Facebook/ Reprodução

Links utéis:

carybe.com.br

lojaoxum.com.br

Umb_EAD_2014

Cursos com inscrições abertas pelo

www.umbandaead.com.br

e-mail:

contato@umbandaead.com.br

blog@umbandaead.com.br

Tel (14) 3010-7777

obs: os links desse texto estão sujeitos a alteração em razão da disponibilidade do curso, site e/ou produto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s