Levante-se para o enfrentamento!
21 de janeiro de 2016
Oxóssi é raptado por Ossaim
21 de janeiro de 2016
Exibir tudo

Para cada momento da gira, um ponto a tocar..

Os pontos que embalam as giras de Umbanda e mantêm a vibração energética dos trabalhos são função da Curimba do terreiro. A maioria das casas trabalham com 3 atabaques denominados rum, rumpi e lê, mas isso pode variar, inclusive existem casas que não adotam o atabaque nos trabalhos espirituais.

Para que a sintonia seja perfeita os Ogãs devem estar de acordo com o jeito de tocar e cantar de cada um, por exemplo, pode ocorrer de um ou dois sustentarem o toque enquanto outro está experimentando outros tipos de variações, para que isso ocorra perfeitamente é necessário sempre harmonia e sintonia entre eles.

Outro fator importante para o conjunto musical é a classificação dos pontos. Sim, para cada momento da gira existe um tipo de ponto. O motivo disso acontecer é o fato de que os pontos que são cantados e tocados pelos Ogãs são uma forma de oração, de comunicação e de saudação as entidades e Orixás.

Sendo assim ele se classifica de acordo com a comunicação que irá ser estabelecida naquele momento. Veja abaixo a classificação dos pontos de acordo com o livro ABC do Ogã, de Severino Sena.

Classificação dos pontos

Ponto de Firmeza

Esse ponto é cantado no início da gira, pois tem como objetivo pedir permissão ao Orixá para a abertura dos trabalhos junto de seus mensageiros.

Ponto de Coroa 

Direcionado ao guia-chefe da casa, o ponto de coroa é o segundo a ser tocado e tem como função chamar o guia, então, nesse momento pode ocorrer do guia incorporar. No ponto é citado o nome ou a falange deste guia.

Ponto de Saudação

No momento em que se pretende exaltar as forças e qualidades de determinado guia é esse tipo de ponto que é cantado.

Ponto de Sustentação

Os pontos de sustentação abarcam a maioria dos pontos, pois nesse momento é preciso que se mantenha a energia da gira. Para isso, cantam-se pontos que falem sobre o guia, seu trabalho, força e falange, como ele desenvolve a ajuda com seus filhos, saudação e assim por diante. O objetivo é que a energia continue no mesmo fluxo, sustentando-se.

Ponto de Chamada

Esse ponto remete a incorporação dos guias. Para manter o direcionamento correto da gira, o indicado é que toque-se o ponto de chamada nos momentos em que abre-se para a incorporação, porém, nem sempre isso ocorre, não é difícil ver médiuns incorporando com pontos de sustentação por exemplo.

Ponto de Subida

A despedida dos guias. É o momento que a casa agradece pela vinda das entidades e os médiuns começam a desincorporar encerrando os trabalhos.

Texto: Júlia Pereira

Imagem: Pixabay

0 Comentários

  1. Marilene Laura silva disse:

    Maravilhoso
    Sou uma mae de santo gostei mt do aprendizado

  2. […] A musicalidade é algo muito importante dentro do terreiro. Os mestres Ogãs tocam e cantam os pontos (músicas) que irão promover a energia vibratória da gira. Cada momento possui um ponto específico e os atabaques (instrumentos) são considerados sagrados. Veja mais em: Para cada momento da gira, um ponto a tocar. […]

  3. Fabio disse:

    Quero comprar o livro ABC do Ogan mas não estou conseguindo, meu whatz 0xx35_99987_7878.
    Me retornem. Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Ei!🖐🏽
Continue em contato  
Receba com exclusividade infos sobre Umbanda
Escolha fazer parte do grupo de leitores e descadastre-se quando quiser. Axé!
close-link