Mesa reúne Alexandre Cumino, Monja Coen e outros líderes na Bienal do Livro
29 de junho de 2018
Lançamento Exu Não é Diabo na Livraria Cultura, Av. Paulista, Conjunto Nacional
27 de agosto de 2018
Exibir tudo

Confira os congás da turma 18 de Teologia de Umbanda – A Jornada

Pai Alexandre Cumino fala no 12º episódio da Jornada de Teologia sobre os temas: Altares de Umbanda, Assentamento, Firmeza, Tronqueira, Imagens e tudo o que nós vemos na estrutura de um templo de Umbanda fundamentando o que cada um desses elementos e ritos representam na religião.

As Firmezas e Assentamentos são a forma ritualística e magística com a qual nos relacionamos com as forças e poderes de Guias e Orixás. Os Orixás são o poder pois são fragmentos puros de Deus e os Guias são a força motora que nos ampara, protege e direciona.

Só Deus é o poder, os Orixás são os manifestadores do poder do Criador e eu, você e as entidades temos forças. Nós podemos firmar e assentar forças e poderes dos Orixás e Guias da Umbanda.

Alexandre Cumino em Jornada de Teologia

Comentário sobre Firmeza

A própria palavra já traduz parte do fundamento que se tem no ato de firmar um guia firmar = fixar, estabelecer algo.

No caso das firmezas estabelecemos uma força em determinado lugar, seja na sua tronqueira, no altar ou no “cantinho” do anjo da guarda enfim, firmar algo remete a rezar uma vela, junto de outros elementos ou não e ali depositar suas intenções.

Por exemplo, você reza uma vela para o Anjo da Guarda em sua casa intencionando cuidado, zelo, vigia, equilíbrio e harmonia, nesse momento o seu propósito foi estabelecido perante a vela e a energia ígnea (fogo) desse elemento, fará a ligação entre você e a tela mental do seu anjo.

Com esse ato você estará promovendo a continuidade e retroalimentação da sua ligação mental com o anjo e isso permanecerá ativo durante todo o período em que a firmeza está acesa.

Assim, também acontece com as entidades onde para esquerda é comum que se firme pedindo por proteção e para a direita por humildade, vigor, limpeza, tranquilidade dentre outras especificidades que irá dizer respeito ao campo de atuação da linha firmada.

Uma firmeza pode ser feita em benefício próprio ou tendo como intenção o amparo de outra pessoa, mas ela sempre será algo muito pessoal e particular de cada um e com um tempo de duração curto, que geralmente é o da queima da vela, por isso precisa ser cuidada e renovada constantemente.

Por esse motivo ela também não tem como finalidade sustentar uma estrutura inteira de trabalho, como acontece em um templo e para esse caso, a forma de relação é outra e requer a feitura de um assentamento e esse é oooutro assunto.. Nesse texto demos apenas uma pequena amostra do que estão vivenciando os “peregrinos” rs, do episódio 12, da Jornada de Tu.

Durante a ilustração de Pai Alexandre sobre ‘Altares de Umbanda’ propôs-se que todos os membros da Jornada congregassem as formas de Umbanda e a riqueza cultural que existe no ato de se construir um Congá, enviando imagens de seus respectivos altares.

 


 

Texto: Júlia Pereira

Imagens enviadas pelos alunos da 18º turma de Teologia de Umbanda – A Jornada

 

Estudos com inscrições abertas pelo
umbandaead.com.br
e-mail:
[email protected]
[email protected]
Tel (14) 3010-7777
obs: os links desse texto estão sujeitos a alteração em razão da disponibilidade do estudo e/ou produto
Pedimos para que os irmãos que desejem compartillhar os textos desse blog creditem a fonte lincando para o nosso endereço.
Informação da fonte!

1 Comentário

  1. fabricio disse:

    existe uma ordem na colocação dos orixas num conga. Quem fica a direita ou a esquerda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.