19 cantoras para Umbandista ouvir

cantoras_de_umbanda

Para quem ouve pela primeira vez o som dos atabaques embalarem os mais lindos pontos de umbanda dentro do terreiro.. sai do templo querendo escutar batuque, no carro, na casa, no trabalho, na academia, no ônibus e em todo canto. Mas, experimenta procurar no youtube “pontos de umbanda”. Bom, o resultado não é muito animador, a maioria dos pontos disponibilizados pelo youtube ou são de giras ao vivo (e o audio fica bem ruim) ou a gravação que não é boa mesmo.

A fim de explorar e mostrar um pouco mais sobre nossa pluralidade musical no que se refere a Umbanda e mais precisamente dentro de um contexto mais atual (compositores e obras frescas!) pesquisamos algumas cantoras que tratam dos Orixás, Guias… e ainda dispõem de arranjos musicais inspirados em pontos de terreiro, com isso, de bônus nós ainda valorizamos nosso produto cultural, sensacional não é? Então dá um confere nos sons ai..

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA ESTUDO SOBRE CANDOMBLÉ ON-LINE
www.umbandalogia.com.br/candomble

 


Mariene de Castro

A soteropolitana mais envolvente do nosso país, traz em sua musicalidade mais do que referências a religiosidade afro-brasileira. A batida de Mariene de Castro quase que nos transporta para as festas dos ilês e giras de Umbanda.

O grande público que ainda não conhecia a cantora teve o prazer de vê-la atuar como Dalva, personagem interpretada pela cantora na novela Velho Chico da rede Globo.

Após a participação na trama, também marcou a telas da TV brasileira com sua aparição na cerimônia em que celebrava-se o encerramento das olimpíadas no país. O Brasil parou ao escutar “Pelo tempo que durar” na voz da baiana enquanto a tocha olímpica se apagava.

 

Juçara Marçal 

A cantora e educadora Juçara Marçal desenvolve seu trabalho desde 1998 e a partir dai ela só vem somando ao cenário musical brasileiro. Quem conhece o raper Criolo já deve ter ouvido Fio de Prumo (Pade Onã) na qual Juçara participa. A cantora que pesquisa e trabalha as tradições afro-brasileiras, conta com alguns parceiros como Kiko Dinucci e Thiago França com quem formou o grupo Metá Metá. Tanto solo, como em grupo ou fazendo participação Juçara é muito axé em forma de música.

 

Margarete Menezes

Cantora, compositora, atriz e empresária, a brasileira é dona de uma voz incomparável que saúda a cultura e religiosidade de matriz africana.

 

Roberta Nistra

Cantora, compositora e cavaquinista, Roberta também é pesquisadora musical e suas canções são marcadas pela alegria contagiante do samba, o improviso do choro e a inspiração dos ritmos africanos, como o lundu, a umbigada dentre outros que marcam também, a origem do samba.

 

Rita Ribeiro ou Rita Benneditto

Conhecida pela sua característica de unir músicas de terreiro a arranjos modernos, Rita Ribeiro consolidou seu trabalho internacionalmente.

Teresa Cristina

A cantora integra o Grupo Semente, onde suas canções embaladas por ritmos do samba trazem canções que exprimem a religiosidade afro-brasileira.

 

Renata Jambeiro

O Afro-samba de Renata Jambeiro é embalado pelo seu canto, danças e interpretações teatrais.

Fabiana Cozza

Outra gigante na voz, Fabiana Cozza tem seu repertório marcado por canções que saúdam os Orixás.

 

Luci Rosa 

Cantora e umbandista, tem em suas melodias as composições de Mãe Lurdes de Vieira Campos, trazendo para o cenário musical um pouco da vertente de Umbanda, atribuída a Pai Rubens Saraceni, tida como Umbanda Sagrada.

 Renata Rosa

Renata Rosa saúda a musicalidade brasileira, trazendo um pouco das crenças populares e religiosidades presente no país para o ritmo inspirado no maracatu, sendo ela tocadora de rabeca (nome cultural para o instrumento musical de corda trazido do norte da África, entendido hoje como violino).  Vale a pena conferir essa voz!

Mônica Salmaso

A artista tem como foco de suas melodias a MPB e seu primeiro trabalho cantava as composições de Baden Powell e Vinicius de Moraes, no álbum Afro-sambas.

Virgínia Rodrigues

Escutar essa cantora é sentir a força dos Orixás em forma de melodia. O canto de Virgínia é beleza, resistência e manifestação cultural pura. Descoberta por Caetano Veloso, a musicalidade de Virgínia traz elementos do samba, jazz e música clássica, munindo-se ainda, das reverências a Umbanda, Candomblé e cultura afro-brasileira.

Glória Bonfim

No seu álbum Santo e Orixá canta e brinda as crenças afro-brasileiras, interpretando também pontos presentes nos terreiros.

Roberta Sá

Na mesma “pegada” de Roberta Nistra, Roberta Sá apresenta sua MPB marcada pelo cavaquinho e roupagem do samba. No álbum ‘Quando eu canto é reza’ dedica canções à cultura afro-brasileira e aos Orixás.

 

Aline Calixto

Mais uma sambista brasileira que traz a musicalidade dos Orixás como inspiração para o seu canto.

 Juliana D Passos 

No Atabaque e Voz, a cantora traz arranjos de músicas aos Orixás e Guias.

Déa Trancoso

Diminuindo a batida vamos para o som envolvente e autêntico da mineira Alcidéia Margareth Rocha Trancoso ou Déa Trancoso. Seu ritmo está baseado nos cantos presentes no catimbó, lundu, maracatu, moda de viola, samba de caboclo e etc. Pra quem tá precisando de tranquilidade e paz para o dia a melodia de Déa é uma boa escolha!

 

Serena Assumpção

Esse álbum é de arrepiar! Serena desencarnou no início de 2016 e não chegou a lançar oficialmente suas novas composições que formam o álbum Ascensão (nome escolhido pelos búzios e adotado por ela). Lançado póstumo pelo selo SESC o álbum é uma verdadeira saudação aos Orixás!

Alessandra Leão

Pra quem for dar uma olhada no repertório da pernambucana Alessandra Leão vai encontrar além de um sotaque e uma voz maravilhosa, algumas músicas que fazem referência aos nossos divinos orixás, um exemplo disso é a faixa ‘Doutrina e Toque de Iemanjá’ do álbum Pedra e Sal, 2014.

 


 

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA ESTUDO SOBRE CANDOMBLÉ ON-LINE
www.umbandalogia.com.br/candomble

 

Gente, essas são só algumas opções de produto cultural brasileiro atual que retratam Orixás, pontos de terreiro, cantos iorubás, batuque e toda nossa “misturança” de culturas, tradições e crenças existentes no país, isso não quer dizer que os cantores são umbandistas ou não.

Se você conhece mais cantores que fortalecem essa questão da musicalidade índio-afro-brasileira compartilhe nos comentários e vamos divulgar nossa cultura.

 

Texto:

Júlia Pereira

 

Imagem:

Retiradas da internet

Cursos com inscrições abertas pelo
umbandaead.com.br
e-mail:
contato@umbandaead.com.br
blog@umbandaead.com.br
Tel (14) 3010-7777
obs: os links desse texto estão sujeitos a alteração em razão da disponibilidade do curso e/ou produto
Pedimos para que os irmãos que desejem compartillhar os textos desse blog creditem a fonte lincando para o nosso endereço.
Informação da fonte!

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s