ABATE RELIGIOSO E AGROINDÚSTRIA
14 de novembro de 2016
OS PRIMEIROS TERREIROS DE UMBANDA
15 de novembro de 2016
Exibir tudo

Quando e como nasceu a Umbanda? #109anos

Em 15 de Novembro de 1908 manifestou-se na Federação Espírita de Niterói o espírito que anunciou a religião de Umbanda.

Pelo intermédio de Zélio Fernandino de Moraes o espírito se postou e logo declarou-se como Caboclo brasileiro. Neste diálogo várias questões são abordadas, inclusive sobre a forma com o que o índio estaria se vestindo. Pai Ronaldo Linares, uma das pessoas mais próximas de Zélio foi incumbido da missão de disseminar a história do dia em que uma nova religião foi proclamada, e é ele que a partir desse designo passa a relatar os fatos tal como ocorreram na ocasião.

A Federação Espírita (onde ocorreu a primeira manifestação do Caboclo 7 encruzilhadas) na época era presidida por José de Souza, que questionou sobre as vestes clericais – em referência a integrantes da igreja católica – que o espírito do então Caboclo se vestia.

Respondendo com firmeza, declarou:

“O que você vê em mim são restos de uma existência anterior. Fui padre, meu nome era Gabriel Malagrida, e acusado de bruxaria fui sacrificado na fogueira da inquisição por haver previsto o terremoto que destruiu Lisboa em 1755. Mas, em minha última existência física Deus concedeu-me o privilégio de nascer como um Caboclo brasileiro.”

Caboclo das 7 Encruzilhadas

O que poucos sabemos é que Gabriel Malagrida em vida, também morou no Brasil. Padre, missionário, pregador assíduo de seus dogmas, nasceu em Milão e peregrinou por entre suas missões no Brasil e Portugal.

Em solo brasileiro, aprendeu dialetos indígenas e viveu com diversas tribos. Acabou tendo contato com os principais xamãs e com os problemas que assolavam e muitas vezes dizimavam algumas populações indígenas. Mesmo correndo risco de vida e enfrentando a resistência de alguns componentes das tribos, efetuou grandes trabalhos levando sempre a sua espiritualidade a quem necessitava.

Fundou diversas instituições no norte do país até que em 1750 resolve partir para Lisboa em busca de subsídios para possibilitar e dar continuidade aos trabalhos realizados. Em suas iniciativas, tinha como objetivo conceber autonomia espiritual, material e mental aos indígenas. Porém, suas ações não agradaram muito a alguns representantes políticos e logo, o padre começou a ser perseguido.

Foi acusado de regicídio, exilado e por fim entregue a Inquisição. Gabriel Malagrida morreu em 21 de Setembro de 1761, condenado a fogueira em um auto-de-fé.

Hoje 15 de Novembro, completam-se 109 anos desde que o espírito manifestado como Caboclo da Sete Encruzilhadas trouxe consigo a mensagem que uma nova religião estava nascendo. Religião esta que seria composta pelas mais variadas formas de ser, sentir e se relacionar e que mais tarde agregaria o nome de Umbanda.

Consciente de sua missão, o Caboclo das 7 Encruzilhadas indagou que a Umbanda seria a manifestação de todos os espíritos que tinham consigo uma grande sabedoria e ancestralidade, porém, não lhe eram permitido espaço dentro das religiões existentes. Visto que em outras crenças, o valorizado eram espíritos ditos como mais evoluídos pelo o que foram em terra.

Por que não podem nos visitar humildes trabalhadores do espaço, se apesar de não haverem sido pessoas importantes na Terra, também trazem importantes mensagens do além?

Caboclo da Sete Encruzilhadas

Para tal, o que realmente importava era o trabalho realizado, a caridade, o amor e o respeito ao sagrado. Tanto o caboclo brasileiro como padre católico carregam consigo esta mesma mensagem. O Brasil é um dos países mais miscigenados que existe e sendo assim, a Umbanda surge para possibilitar que essas pluralidades possam ser vividas, ouvidas e ensinadas em terra e sentidas em fé.


 

 

Texto:

Júlia Pereira

 

Imagem:

Divulgação

Estudos com inscrições abertas pelo
umbandaead.com.br
e-mail:
[email protected]
[email protected]
Tel (14) 3010-7777
obs: os links desse texto estão sujeitos a alteração em razão da disponibilidade do estudo e/ou produto
Pedimos para que os irmãos que desejem compartillhar os textos desse blog creditem a fonte lincando para o nosso endereço.
Informação da fonte!

6 Comentários

  1. Margarida gavioli dos santos disse:

    Muito linda a historia da umbamda eu sou da umbamda com muita honra

  2. Edna. disse:

    Também sou da umbanda e tenho muito orgulho, onde me encontrei e hoje sou feliz por isso….

  3. […] Texto Júlia Pereira – redação Blog Umbanda EAD  […]

  4. Márcio disse:

    Sou umbanda com muito orgulho……

  5. Glaucio de Omulu disse:

    Com que me cadastro no blg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ei!🖐🏽
Continue em contato  
Receba com exclusividade infos sobre Umbanda
Escolha fazer parte do grupo de leitores e descadastre-se quando quiser. Axé!
close-link