3 BENEFÍCIOS DA MEDIUNIDADE DE TERREIRO

Nem se fosse possível conseguiríamos descrever todos os benefícios da incorporação, pois cada pessoa recebe essa manifestação à sua maneira, o que traremos hoje para os leitores são 3 benefícios comuns – e uma breve explicação sobre a atuação de cada um deles – da incorporação na vida do médium.

Se você viveu ou vive algumas dessas experiências, comente e compartilhe conosco!

Explicações sobre a mediunidade

O momento de êxtase que o médium sente ao incorporar, se assemelha ou quase que equipara-se ao que acontece em outras denominações religiosas. Vamos à um exemplo claro, que torna essa situação um pouco mais visível a nós..

Quando um católico ou mesmo um evangélico diz ter sentido a presença do espírito santo em seu corpo, ele está percebendo e vivenciando um dos seus sentidos que equivale-se a mediunidade dele.

Claro que cada fluxo religioso comporta uma estrutura vibracional que está ancorada em suas capacidades e inclinações, mas essas sensações – quando fidedignas –  são o o que podemos chamar de êxtase religioso ou a manifestação da divindade naquele indivíduo.

“É como visitar uma cachoeira [..] O outro pode visitar a mesma cachoeira e mesmo assim não terá uma experiência igual, porque ele é outra pessoa mergulhada em outra água que flui no mesmo lugar.”

 Médium, Incorporação não é Possessão,

Alexandre Cumino.

AssistaMecanismos de Incorporação 

Pai Rodrigo Queiroz fala sobre isso no curso Umbanda para Iniciantes (inscrições abertas!), “nós acreditamos que a mediunidade que se manifesta nos terreiros de Umbanda, faz parte do que chamamos de mediunismo umbandista ou mediunidade de terreiro. A pessoa que nasce com essa “modalidade” de mediunidade é diferente de qualquer outro tipo de mediunidade presente em outros segmentos” comenta.

No curso ele também explica como isso se revela na prática, e como o médium recém descoberto deve entender essa novidade.. é super poder? é carma? é missão?

1 ) Alívio de questões emocionais

A mediunidade pode ser uma das vias que a pessoa encontra para exteriorizar todos os sentimentos “pesados” que ela carrega consigo.

Pai Rodrigo Queiroz exemplifica isso dizendo sobre o trabalho de socorrismo que acontece em alguns terreiros, onde o espírito obsessor incorpora no médium e a corrente mediúnica trabalha encaminhando-o ou curando-o (isso vai depender do terreiro, do trabalho, enfim).

O tutor destaca que o obsessor – quando incorporado –  pode exteriorizar diversas emoções no médium como: chorar, gritar e etc. Porém esses sentimentos, podem se juntar a sentimentos “aprisionados” do próprio médium, e nesse momento as angústias, mágoas, tristezas que estavam sufocadas encontram um meio de extravasar.

“Não necessariamente os dilemas são iguais, mas a dor da angústia muitas vezes é a dor existencial e nesse momento isso vai ser desencadeado..o médium então, se sente muito aliviado e ele não entende porque está se sentindo tão aliviado. Não é só uma sensação de espiritualmente limpo e leve, mas há uma sensação de alívio interior”

Pai Rodrigo Queiroz

2 ) Visão e Conceitos

A experiência mediúnica traz consigo a capacidade de entender o outro, a chamada empatia, palavra muito usada atualmente, mas que pouco se vê sendo colocada em prática.

Na definição do dicionário on line Michaelis empatia sugere um estado de espírito, no qual a pessoa se identifica com a outra, ou seja, sentir o que ela está sentindo, ver com os olhos do outro e se compadecer do problema alheio.

Como isso acontece no atendimento?

Um belo exemplo é quando o consulente chega com suas falhas e perturbações mais íntimas, que muitas vezes pode parecer estranhas ou deslocadas da realidade do médium, passíveis até mesmo de julgamento por parte deste, mas que naquele momento é desconstruído pela experiência do atendimento. Guia, consulente e médium naquele instante estabelecem uma relação, o médium aprende e se permite a perceber com outros olhos uma realidade antes nunca entendida por ele.

Para exemplificar esse contexto usaremos uma passagem do curso Mediunidade na Umbanda descrita por Pai Rodrigo Queiroz:

Uma vez, há muitos anos, eu estava no começo do meu exercício mediúnico, incorporado com meu Preto-Velho Pai João de Angola e chegou uma consulente na frente dele e falou “pai, eu vim aqui pedir a bênção, pedir para que vos me proteja porque eu sou garota de programa, essa vida é muito arriscada e eu queria a sua proteção”.

Eu, quando escutei aquilo eu senti um negócio, não sabia como reagir porque eu não tinha que reagir, quem tem que reagir é o Preto-Velho então eu respirei, tentei segurar a onda porque naquela época eu tinha uma ideia preconceituosa “quem é garota de programa vai para o inferno e tem que se salvar” e o Pai João a abençoou, não falou nada se ela estava certa ou errada, ele deu a bênção, a benzeu e falou “se cuide filha, siga em paz”.

A experiência mediúnica propõe as pessoas esses sentimentos: autoavaliação, revisão e o entendimento de conceitos e juízos pré concebidos, muitas vezes estagnados e fechados a novas percepções. Pai Rodrigo continua dizendo que esse episódio o fez estudar, buscar informações e compreender mais aquela situação, ou seja, a situação em que o outro se encontra, confirmando o que nós citamos no início desse tópico, a empatia.

3) Estados de Consciência Profundos

Nesse tópico vamos falar sobre a manifestação dos Orixás. Alexandre Cumino fala sobre isso no livro supracitado Incorporação não é Possessão “Por meio do transe é possível alcançar os estados de consciência mais profundos do ser e, no caso da incorporação de Orixá, fica mais evidente esta relação” explica.

A citação acima refere-se ao modo que o transe de Orixá acontece, nele a pessoa se comunica apenas por meio de danças, gestos, movimentos ritualísticos dentre outras manifestações, mas não há um diálogo. Recapitulando, transe de orixá é diferente da incorporação das linhas de trabalhos, é outra estrutura, função e vibração estabelecida.

O transe de Orixá atua no médium de forma mais direta, e isso se dá em razão do padrão de vibratório de energia que é estabelecido nessa incorporação. Desta forma, o médium tem sensações – e pode exterioriza-las – que estão além de sua vivência racional, consciencial e cultural.

Como dito pelo sacerdote, o transe consegue ativar os sentimentos mais profundos do médium, trazendo à tona os mistérios que comungam com o Orixá manifestado. Desta forma, a incorporação do Orixá consegue relacionar coisas do íntimo do médium com a divindade, possibilitando assim um auto entendimento de si mesmo e de sua realidade.


Os apontamentos acima tem como base a visão dos sacerdotes e estudiosos da religião supracitados, não pretendemos com eles estabelecer uma regra sobre o tema, mas sim disponibilizar um pouco de conhecimento contido nas diversas formas em que a Umbanda acontece. Saravá!

Texto: Júlia Pereira

Imagem: ICA

BLOG_LOGO_00000

Cursos com inscrições abertas pelo
http://www.umbandaead.com.br
e-mail:
contato@umbandaead.com.br
blog@umbandaead.com.br
Tel (14) 3010-7777
obs: os links desse texto estão sujeitos a alteração em razão da disponibilidade do curso e/ou produto

3 comentários em “3 BENEFÍCIOS DA MEDIUNIDADE DE TERREIRO

  1. Minha mae eh da unbanda…ela incorpora faz trabalho e recebe guias de luz. Mas o interessante e que ela muda. Mas ao mesmo tempo eh maravilhoso ver a ciência divina pra quem realmente tem o dom.

    Curtir

  2. esta interação sobre nossa umbanda tem me mostrado como a umbanda é maravilhosa e como sabemos muito pouco sobre nossa religião e nossa fé .Muito grato , muito Axé.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s