Você também é médium!

Para afirmar isso, antes precisamos estabelecer a consciência de que existe o plano material e também o espiritual. Mesmo que a visualização (clarividência) do último seja um fato pouco comum, vindo a ser uma exceção, o contato com a dimensão espiritual pode ser entendido de outras maneiras, não dependendo apenas da pessoa ser médium.

Nem todo mundo, enxerga, psicografa, incorpora, escuta.. espíritos. Esses processos mediúnicos são alguns dos meios (os mais perceptíveis), que o plano espiritual tem de se comunicar e trabalhar em comunhão com o material.

Tendo esse entendimento e somando-o a premissa de que a mediunidade é a capacidade de transitar entre as duas realidades (material e espiritual), toda interação por mais simples que seja carrega consigo uma parcela de mediunidade, que é algo natural do ser humano. Neste momento você começa a se perguntar em como isso acontece.. vejamos então alguns exemplos simples e triviais.

Sonho: neste caso a pessoa pode ter, durante o sono, a percepção sobre algo recorrente a sua vida ou até mesmo comunicar-se com o plano espiritual. Uma das características dessa mediunidade mais branda é a capacidade de ouvir/ver e interpretar as mensagens de alguns espíritos que ocorreram através do sonho.

Intuição: quando a pessoa tem a sensibilidade de perceber algo diferente, ou algum aspecto que a estimula a tomar certa decisão. Inconscientemente o indivíduo chega a uma conclusão de que algo irá acontecer (mesmo que não seja claro o que realmente) e com base nisso reconhece o que vai ser preciso fazer deste momento em diante.

Sentir: se mediunidade é a capacidade que o ser humano tem de sentir, ver e/ou interagir com algo, tudo o que está relacionado a sua percepção do meio, permeia a mediunidade e sofre de influências do astral. Algumas pessoas tem uma sensibilidade maior para perceber energias negativas que se instauram no local. Um exemplo disso, é quando uma pessoa consegue sentir que a presença de alguém está trazendo cargas pesadas para um determinado ambiente. Essa sensibilidade em perceber energias, sejam elas positivas ou negativas se classifica como um fenômeno mediúnico.

Recapitulando, nem todos são imbuídos de mediunidade aguçada como a incorporação que é uma das práticas mais usuais dentro da Umbanda, mas, mesmo sem estar na condição de médium podem conviver com a mediunidade. Cada qual em sua proporção e resguardados de acordo com o que o astral permitiu a este transcender.

Você já teve algumas dessas sensações? Já sentiu que algo de errado poderia acontecer? Ou intuiu que sua vida poderia se tornar melhor de acordo com uma decisão que precisava tomar?  Se quer saber mais sobre esses e outros tipos de mediunidade a 8º aula do curso de Teologia de Umbanda ministrado pelo sacerdote umbandista Alexandre Cumino aborda justamente esse assunto e pensando nisso a plataforma Umbanda EAD liberou esta aula gratuitamente para você. CLIQUE AQUI e aproveite o final de semana para adquirir conhecimento! Lembrando, que o curso que tem duração de 1 ano está com as inscrições prorrogadas até o dia 29/02/2016.

Texto: Júlia Pereira

Imagem: Pixabay

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s