Pular 7 ondas, o rito umbandista que o brasileiro pratica sem saber
29 de dezembro de 2015
Os números de 2015 do nosso Blog
30 de dezembro de 2015
Exibir tudo

Mito Mãe Iemanjá de Pierre Verger

Ode Iyâ Yemanjá Ataramagbá
ajejê lodõ, ajejê nilê! 

Iemanjá era filha de Olokum, a deusa do mar.

Em Ifé,  ela tornou-se a esposa de Olofin-Odudua, com o qual teve dez filhos.

Essas crianças receberam nomes simbólicos e todos tornaram-se orixás. Um deles foi chamado Oxumaré, o Arco-Íris, “aquele-que-se-desloca-com-a-chuva-e-revela-seus-segredos”. De tanto amamentar seus filhos, os seis de Iemanjá tornaram-se imensos .
Cansada de sua estadia em Ifé,
Iemanjá fugiu na direção o “entardecer-da-terra”, como os iorubas designam o Oeste, chegando a Abeokutá.
Ao norte de Abeokutá, vivia Okere, rei de Xaki.
Iemanjá continuava muito bonita.
Okere desejou-a e propôs-lhe casamento.
Iemanjá aceitou mas, impondo uma condição, disse-lhe:
“Jamais você ridicularizará da imensidão dos meu seios”

Okere, gentil e polido, tratava Iemanjá com consideração e respeito.
Mas, um dia, ele bebeu vinho de palma em excesso.
Voltou para casa bêbado e titubeante.
Ele não sabia mais o que fazia.
Ele não sabia mais o que dizia.
Tropeçando em Iemanjá esta chamou-o de bêbado e imprestável.
Okere, vexado, gritou:
“Você, com seus seios compridos e balançantes!
“Você, com seus seios grandes e trêmulos!”
Iemanjá, ofendida, fugiu em disparada.
Certa vez, do seu primeiro casamento,
Iemanjá recebera de sua mãe, Olokum,
uma garrafa contendo uma poção mágica pois, dissera-lhe esta:
“Nunca se sabe o que pode acontecer amanhã.
Em caso de necessidade, quebre a garrafa, jogando-a no chão.”
Em fuga, Iemanjá tropeçou e caiu.
A garrafa quebrou-se e dela nasceu um rio.

As águas tumultuadas deste rio levantaram Iemanjá em direção ao oceano, residência de sua mãe Olokum.
Okere, contrariado, queria impedir a fuga de sua mulher.
Querendo barrar-lhe o caminho, ele transformou-se numa colina chamada, ainda hoje, Okere, e colocou-se no seu caminho.
Iemanjá quis passar pela direita, Okere deslocou-se pela direita.
Iemanjá quis passar pela esquerda, Okere deslocou-se pela esquerda.
Iemanjá vendo assim, bloqueado seu caminho para casa materna, chamou Xangô, o mais poderoso do seus filhos.

Kawo Kabyesi Sango, Kawo Kabyesi Obá Kossôl

“Saudemos o Rei Xangô, Saudemos o Rei do Kossô!”

Xangô veio com dignidade e seguro do seu poder. Ele pediu uma oferta de um carneiro e quatro galos, um prato de “amalá”, preparado com farinha e inhame e um prato de “gbeguiri” , feito com feijão e cebola.
E declarou, que, no dia seguinte, Iemanjá encontraria por onde passar.
Nesse dia, Xangô desfez todos os nós que prendiam as amarras da chuva. Começaram a aparecer nuvens dos lados da manhã e da tarde do dia.
Começaram a aparecer nuvens da direita e da esquerda do dia.
Quando todas elas estavam reunidas,  chegou Xangô com seu raio.
Ouviu-se então: Kakará rá rá rá..
Ele havia lançado seu raio sobre a colina de Okere.
Ela abriu-se em duas e suichchchch …
Iemanjá foi-se para o mar de sua mãe Olokum.
Aí ficou e recusa-se,desde então, voltar-se em terra.
Seus filhos chamam-na e saúdam-na:

“Odo Yá, a Mãe do Rio, ela não volta mais.
Iemanjá, a rainha das águas, que usa roupas cobertas de pérolas.”
Ela tem filhos no mundo inteiro.
Iemanjá está em todo lugar onde o mar vem bater-se com suas ondas espumantes. Seus filhos fazem ofertas para acalma-la e agrada-la.

“Odô Iyá, Yemanjá, Ataramagbá Ajejê Iodôl Ajejê nilêl

“Mãe das águas, Iemanjá, que estendeu-se ao longe na amplidão.
Paz nas águas! Paz na casa!”


Fragmento do livro: Lendas Africanas dos Orixás, Pierre Fatumbi Verger. 

Imagem: Pixabay

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.